auditoria financeira

Auditoria financeira nas empresas: veja o que deve ser analisado

A vida de uma empresa, o seu crescimento e a sua prosperidade dependem de uma boa administração dos seus recursos financeiros. Empresas que gastam mais do que arrecadam e que não planejam as suas compras, estão fadadas a enfrentar uma crise atrás da outra. Para evitar que isso ocorra, há uma ferramenta administrativa de extrema importância: a auditoria financeira.

Esse procedimento é primordial para garantir a sustentabilidade da organização. No entanto, ainda há instituições que o negligenciam. Para compreender melhor a importância desse processo e como ele ocorre, continue a leitura deste artigo.

O que é uma auditoria financeira?

A auditoria financeira é uma avaliação minuciosa de todas as transações financeiras da organização. Trata-se de uma especialização da contabilidade, criada e conduzida com o objetivo de avaliar todos os fatores e ocorrências que têm o potencial de interferir no patrimônio da empresa.

Dessa forma, esse tipo de auditoria garante não apenas a sobrevivência da instituição, como a sua capacidade de prosperar. Esse processo permite a identificação de desperdícios ou de hábitos negativos para os cofres da organização. Além disso, ele apura os motivos de esses problemas ocorrerem e aponta as possíveis soluções.

Por que as auditorias financeiras são importantes para uma empresa?

A auditoria financeira permite que falhas na administração do capital da empresa sejam identificadas. Ela verifica se as transações financeiras registradas (compras, vendas, folhas de pagamento, impostos etc.) são compatíveis com o saldo atual da organização. Além disso, ela passa um “pente fino” nas investigações de fraudes, identificando se há desvios de dinheiro.

Também é importante ressaltar que a auditoria oferece uma visão sistêmica das finanças da empresa. Isso ajuda os seus gestores a negociar, reduzir despesas e investir com mais sabedoria. Por fim, o procedimento também auxilia no cumprimento das leis fiscais, fazendo com que a empresa pague devidamente todos os impostos e taxas devidos, mas sem gastar mais do que deve.

Quais aspectos devem ser considerados?

O processo de auditoria resulta na elaboração de um relatório que diagnostica a situação financeira da empresa e aponta as medidas necessárias para melhorá-la. Para que esse relatório seja corretamente elaborado, muitos documentos e procedimentos precisam ser analisados minuciosamente.

Isso inclui o fluxo de caixa, as cobranças dos clientes (verificação da inadimplência), os extratos bancários, as compras de materiais, os contratos com empresas parceiras, os pagamentos de fornecedores, a folha de pagamento dos funcionários, enfim, todas as transações financeiras relevantes aos cofres da organização.

Como o processo deve ser feito?

Já deu para perceber que a auditoria financeira é um processo trabalhoso, mas muito importante, não é mesmo? Então, confira as seis etapas que compõem o procedimento.

1. Determinar objetivos

O primeiro passo para conduzir o processo de auditoria financeira com eficiência é definir os seus objetivos. O que a empresa deseja com essa auditoria? Seguem alguns exemplos de objetivos:

  • Identificar se o extrato bancário da empresa é compatível com as informações do livro contábil e do caixa;
  • analisar se o dinheiro que sai da empresa tem destinos adequados;
  • encontrar possibilidades de redução de custos;
  • prevenir e/ou apurar suspeitas de fraudes e checar se os sistemas internos são eficazes nesse sentido;
  • mensurar a inadimplência de clientes.

2. Fazer um mapa de procedimentos

A segunda etapa da auditoria financeira consiste em mapear os procedimentos internos que envolvem transações financeiras. Esse mapa deve compreender como o dinheiro circula pela empresa e quais são os responsáveis por cada etapa.

Alguns dos processos que precisam ser inclusos nessa fase são: fluxo de caixa, cobranças de clientes, pagamentos de funcionários e fornecedores, contas a pagar, contas a receber, questões fiscais (impostos e taxas), compras de materiais e conciliação bancária.

3. Identificar os riscos

Quando o auditor consegue visualizar os processos financeiros da empresa por meio do mapa da etapa anterior, ele pode identificar os riscos inerentes a cada processo. Esses riscos são os erros ou as inconsistências com potencial para prejudicar a saúde financeira da organização.

Nessa etapa, é interessante que o auditor se reúna com os gestores e com os profissionais envolvidos nesse processo, a fim de conhecer a fundo todas as ameaças que podem ocorrer nessas atividades.

4. Conferir o funcionamento dos controles internos

Quais são os mecanismos internos que a empresa possui para reduzir ao máximo esses riscos? Esse controle interno tem funcionado adequadamente? A quarta etapa da auditoria financeira deve responder a esses dois questionamentos e resolvê-los o quanto antes.

Essa é a hora de analisar a fundo todos os meios de controle financeiro da empresa, o que inclui: demonstrativos de fluxo de caixa, demonstração do resultado e exercício (DRE), balanço patrimonial (que detalha os bens e dívidas da organização), sistema de conciliação bancária, sistema de cobrança, meios de emissão de notas fiscais e gestão de reembolsos.

5. Conhecer o nível de eficiência de cada um desses processos

Depois que o auditor conhece cada um desses controles internos, ele precisa colocá-los à prova. Para que isso ocorra, ele deve verificar o funcionamento desses instrumentos no dia a dia da empresa, de modo a identificar se eles têm cumprido adequadamente as funções a que se destinam e se são seguros.

O profissional deve, por exemplo, verificar se as movimentações do fluxo de caixa são registradas corretamente. Se identificar inconsistências, é preciso investigar as suas origens e resolver o problema, a fim de sanar os impactos negativos às finanças empresariais.

6. Avaliar os resultados

Como citado anteriormente, o processo de auditoria financeira geralmente é concluído com a produção de um relatório que identifica as falhas do processo e aponta medidas de melhoria. No entanto, esse não é o fim do trabalho do auditor.

Esse profissional ainda deve verificar se as modificações propostas foram colocadas em prática e se têm produzido os resultados esperadosredução de falhas, aumento no controle financeiro etc. Para garantir que esse processo seja eficiente, é importante que as auditorias financeiras sejam realizadas periodicamente — a cada ano, semestre ou trimestre. Isso permite que o auditor acompanhe a evolução da organização na administração dos seus recursos financeiros.

Como a tecnologia pode ajudar?

Hoje em dia, é inconcebível que todos os processos citados neste artigo sejam registrados à mão num caderno, certo? Não só o volume de dados é extremamente alto em basicamente qualquer empresa, como também as chances de erro humano são maiores. Por isso, as empresas têm investido em softwares que atualizam os dados financeiros da empresa em tempo real e que integram os diferentes processos que são considerados numa auditoria financeira.

Agora que você já compreende a importância desse procedimento para a vida das empresas, precisa também contar com quem oferece a tecnologia e o conhecimento necessários. Por isso, entre em contato com a VanPix — especialista em tecnologia da informação, finanças e gestão empresarial — e descubra todas as soluções que podemos oferecer à sua empresa!

Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.