Emissão de holerites: veja quais são as regras

4 minutos para ler

Mesmo para aqueles que nunca viram nada sobre a emissão de holerites, é muito provável que já tenham escutado falar desse documento, não é verdade? Ele possui uma função crucial quando estamos falando da relação entre a empresa e o colaborador, sendo extremamente útil e importante para ambas as partes.

Afinal, é justamente esse documento que permite ao colaborador entender o valor líquido que ele recebe, além de cada um dos descontos e acréscimos feitos em seu salário. Elementos como horas extras, vale-refeição, transporte, bem como todas as contribuições relativas aos direitos do trabalhador, devem constar no documento.

Entretanto, a emissão de holerites pode causar confusão em muita gente, uma vez que existem diversas regras que precisam ser atendidas. Ficou curioso? Então, continue com a gente que iremos explicar tudo a você!

Qual é a importância do holerite?

Antes de falarmos sobre como realizar a emissão de holerites, é necessário entender um pouco melhor sobre sua importância.

Como comentamos na introdução, o holerite é fundamental para que o funcionário entenda de fato o valor que está recebendo. Contudo, esse documento também pode ser utilizado pelo trabalhador como um comprovante de renda, auxiliando no seu informe de rendimentos.

Pelo lado da empresa também existem diversas vantagens, especialmente quanto ao registro detalhado de todos os valores pagos. Dessa forma, a empresa tem como comprovar que agiu de fato dentro da lei com relação aos pagamentos dos funcionários, o que será bem útil diante de eventuais processos trabalhistas.

Quais são as leis sobre a emissão de holerite?

Não há nenhuma lei presente na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) que fale diretamente sobre holerite. Entretanto, é sim previsto em lei que deve haver algum documento emitido pela empresa que cumpra a função de recibo de pagamento, comprovando os valores pagos aos trabalhadores.

Além disso, a legislação atual também fez com que não precisasse ser obrigatória a entrega do documento de forma física, com ele podendo ser disponibilizado apenas digitalmente. O foco é que o trabalhador tenha acesso ao documento, garantindo a transparência da relação trabalhista.

Como emitir um holerite?

Quando tratamos do processo de emissão de holerite, a primeira coisa na qual precisamos pensar, é em qual categoria o trabalhador está inserido. Isso porque, a depender da categoria, as convenções coletivas podem ser diferentes, portanto, é necessário ter atenção a elas.

Depois disso, você deve montar um sistema de apoio, com todas as informações que devem estar presentes no holerite. Nesse ponto, o uso de planilhas é fundamental para que você consiga organizar todas as informações, e não se atrapalhar na sua gestão financeira.

O uso de softwares especializados é uma ótima opção, uma vez que eles automatizam diversos procedimentos e tornam tudo bem mais rápido e prático.

Depois disso, você deve realizar todos os cálculos relativos aos recebimentos de cada um dos colaboradores da empresa. Horas extras, faltas, direitos trabalhistas, taxas, contribuições e impostos, adicionais noturnos, periculosidade, dentre outras coisas devem ser levadas em consideração.

Feitas todos os cálculos, destaque e separe o valor bruto e líquido que o trabalhador está recebendo, como forma de facilitar sua compreensão. Após isso, revise o conteúdo para evitar que algum erro tenha passado despercebido, e então estará tudo pronto!

A emissão de holerite é algo fundamental para todas as empresas, e gera benefícios tanto para os trabalhadores quanto para os empresários. Realizando todos os procedimentos com a devida atenção, você terá muito mais segurança e transparência na gestão da sua empresa.

Gostou do conteúdo? Então entre em contato conosco para tornar seu financeiro ainda mais seguro!

Powered by Rock Convert
Você também pode gostar

Deixe um comentário