Tipos de backup

Conheça 7 principais tipos de backup e como escolher o melhor

Imagine uma descarga elétrica ou uma falha no disco rígido… De forma repentina, as informações da sua empresa são corrompidas de forma irreparável. O que fazer?

Nesse caso, utilizar alguns dos principais tipos de backup surgem como a melhor solução para evitar situações dessa natureza, garantindo o funcionamento seguro do seu negócio.

Além disso, é importante criar uma política de proteção de dados organizacionais. Para potencializar essa prática, é preciso escolher a modalidade de backup ideal, optando pelo modelo que mais se apta ao perfil da companhia.

Mas quais são os tipos de backup disponíveis? Quais os seus diferencias? Saiba tudo neste post.

1. Backup local

É o mais comum de todos, sendo feito por meio da transferência de arquivos de um HD interno para um HD externo, por exemplo.

O backup local protege os dados digitais de:

  • ataques de vírus;
  • exclusões acidentais;
  • problemas no disco rígido de origem.

Como os dispositivos estão fisicamente presentes, é possível restaurar tudo rapidamente.

2. Backup espelhado

Como o próprio nome diz, funciona como um espelho da origem da cópia. Ou seja, quando um documento é apagado na origem também é deletado no backup. É preciso utilizar esse recurso com cuidado, pois arquivos excluídos por acidente ou vírus, também serão apagados.

3. Backup completo ou full

Nada mais é do que fazer a cópia total de todos os arquivos para destinos como fitas (tapes LTO ou autoloaders), servidores ou sistemas de discos.

Ainda que garanta uma boa proteção de dados, as empresas fazem backup em fita de maneira periódica, pois o processo é demorado. Independentemente disso, o backup completo duplica os dados do ambiente de produção com fidelidade, facilitando o serviço de localização de documentos e pastas que precisam ser restaurados.

Em contrapartida, copiar arquivos sem nenhum tipo de verificação ocupará mais espaço do que o necessário, pois todas as informações serão duplicadas, até mesmo as que já estão armazenadas e não foram modificadas. É preciso ter atenção fazer uma cópia íntegra de todos os dados.

4. Backup incremental

Surgiu para resolver as imperfeições presentes no backup full, como a de sempre copiar todos os arquivos a cada procedimento, ainda que nenhuma alteração tenha sido feita.

Devido ao crescimento exagerado na geração de conteúdos diários, o tempo para manter essa restauração atualizada aumentou de forma considerável. Nesse caso, para colocar o backup incremental em prática, é preciso fazer a cópia completa dos dados. Depois, a cada novo backup, o software analisará quais informações foram modificadas desde o último evento e, identificando mudanças, só copiará as versões mais atuais.

A maior vantagem em usar sistemas com funcionalidades de backup incremental é que esse procedimento é bastante rápido e ocupa menos espaço, pois grava apenas arquivos alterados.

No entanto, as desvantagens dessa modalidade fica na demora para o processo de restauração, já que para recuperar informações é preciso restaurar o último backup full. Isso aumenta os riscos de perder registros importantes, já que se somente um arquivo incremental apresentar falhas, toda a recuperação ficará comprometida.

Essa situação fica mais complicada quando o backup é feito por meio de fitas e exige dois ou três procedimentos incrementais por dia. Após seis meses ou um ano, a recuperação de informações pode envolver milhares de fragmentos de dados.

5. Backup diferencial

Para reduzir o risco de perder informações, ele apresenta economia e rapidez. Após fazer o primeiro backup total, o backup diferencial compara todo o conteúdo e copia todas as alterações feitas.

Isso significa que uma grande parte das informações serão gravadas a cada novo procedimento, já que o último fragmento sempre terá as diferenças e modificações entre o conteúdo original e o volume de arquivos atualizado.

Essa operação é mais prática quando comparada ao modelo incremental, pois exige somente o backup completo e o último fragmento para restaurar os dados. No entanto, a desvantagem é a possibilidade de gerar informações maiores por causa do incremento de registros da empresa, ocupando muito espaço na unidade de armazenamento.

6. Backup remoto

É parecido com o backup comum, sendo que os registros ficam guardados fora das unidades armazenamento da empresa. Dessa forma, ao contrário dos dados serem copiados e guardados em hardware físico, como fitas ou HDs, eles são enviados para um servidor seguro, fora da instituição.

Em geral, esse serviço é terceirizado, pois lida com todas as políticas referentes à proteção de arquivos digitais. Eles também podem ser armazenados na nuvem ou data center.

7. Backup na nuvem (Cloud)

A utilização da computação na nuvem para guardar dados se tornou bastante popular, tanto entre usuários individuais quanto em empresas. Funciona assim: uma empresa provedora desse tipo de serviço mantém servidores e os oferecem aos interessados por meio da internet.

Nesse caso, o TI não precisa cuidar da atualização dos registros, bem como da proteção e manutenção de toda a infraestrutura. Isso ocorre de maneira padronizada e automatizada, com base no contrato entre provedor e cliente. Ou seja, basta pagar pela quantidade de espaço necessária e usar o sistema oferecido para gerir e organizar o processo de backup na nuvem.

Além disso, o cloud backup garante que todos os dados relevantes para o trabalho dos funcionários fiquem disponíveis a qualquer hora e lugar, bastando ter a chave de acesso necessária.

Isso mostra que grande parte dos negócios está há poucos passos de se livrar das limitações físicas. A mobilidade no trabalho está transformando a maneira de gerenciar empresas e mudando o mercado em relação às novas tendências tecnológicas. O foco da vez é investir em estratégias de automatização.

Além de tudo isso, a nuvem traz os seguintes benefícios para a sua companhia:

  • mais espaço físico: com o armazenamento virtual, o local que seria ocupado por fitas, discos e HDs fica livre para outras atividades;
  • tempo extra: como já foi dito, o backup na nuvem pode ser totalmente automatizado. Dessa forma, você e seus colaboradores têm tempo de sobra para executar atividades estratégicas e competitivas por meio da cultura data driven, por exemplo.

E então, o que achou dos tipos de backup mencionados ao longo deste conteúdo? Esperamos que ajudem você a decidir qual opção implementar na sua restauração de dados. Nesse sentido, as soluções da Vanpix podem facilitar a sua vida em relação a pagamentos e recebimentos, tudo online. Faça cobranças, emita boletos, verifique todos os arquivos (enviados e recebidos), autorize transferências, pague seus colaboradores e fornecedores, consulte extratos e muito mais.

Tudo isso sem precisar armazenar arquivos internos e comerciais em grande quantidade. Acesse nosso site e feche uma parceria com a gente para automatizar a rotina financeira do seu negócio.

Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.